• adriana453

A Engenharia e seu reflexo em um trânsito mais seguro

***Paulo Okada


É importante refletirmos quanto à conscientização sobre os acidentes de trânsito e aos seus altos índices de mortos e feridos em todo mundo. Sempre devemos buscar colocar em pauta o tema Segurança Viária, e com isso, sensibilizar a sociedade e trazer reflexão e ações voltadas para a questão do trânsito.


Para termos uma noção de sua relevância, baseado em dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as vítimas de acidentes de trânsito se aproximam de 1,3 milhões de mortes e 50 milhões de feridos por ano, fazendo com que seja a principal causa de óbitos de crianças e jovens ao redor do planeta. Diante destes números inaceitáveis, a OMS e as Comissões Regionais das Nações Unidas constituíram para esta década um Plano Global, o qual tem por objetivo reduzir em pelo menos 50% o número de mortes e lesões provocadas pelo trânsito. Dentre uma série de ações recomendadas, a Engenharia exerce um papel preponderante para um trânsito mais seguro.


Neste contexto, investimentos em transportes públicos eficientes, além de prioritários nos grandes centros urbanos, são também cruciais para a melhoria da segurança viária. Quando bem concebidos, reduzem a exposição da população em geral a sinistros, fazendo com que projetos executados pela CRASA como a Linha 02 do Metrô de São Paulo, estejam totalmente em sintonia com os objetivos traçados para o trânsito nesta década. Há de se destacar, que o desenvolvimento urbano próximo as grandes estações, também necessita ser orientado para o uso do transporte público e a uma mobilidade mais segura. Questões como segurança pública e comodidade aos usuários (como por exemplo espaços destinados a estacionamentos de veículos e bicicletas), são determinantes para um número maior de adeptos a deslocamentos multimodais, o que reflete de forma imediata no trânsito.


Outro aspecto a ser analisado, diz respeito a infraestrutura viária, que deve contemplar não só as necessidades dos seus usuários, mas estar atenta prioritariamente as condições dos mais vulneráveis, como pedestres, ciclistas e usuários de transportes públicos. É fundamental, quando de sua implantação, a obediência aos padrões já estabelecidos de sinalização vertical e horizontal, calçamentos, ciclovias, faixas exclusivas a corredores de ônibus, acostamentos, cruzamentos, limites de velocidade entre outros.


Sob o prisma da segurança viária, também é importante nos atentarmos aos impactos gerados por exemplo, quando da execução de obras de infraestrutura. É muito comum reclamações devido a desvios provisórios mal sinalizados e por períodos indeterminados, falta de acessibilidade a pedestres e portadores de necessidades especiais, uso de rotas alternativas incompatíveis ao volume de tráfego (gerando congestionamentos), enfim, diversos problemas que podem ser provocados por uma obra às vezes mal planejada e controlada. Neste sentido, a elaboração de uma estratégia de execução que seja coerente as reais necessidades da obra, avaliando os possíveis impactos que podem ser gerados no trânsito, e mitigá-los a medida do possível, também é uma ação positiva em prol de um trânsito mais seguro.


É evidente que a fiscalização e a conscientização da sociedade as leis de trânsito, é fundamental nesta caminhada, mas está longe de ser apenas isso. Diversas campanhas de prevenção de acidentes de trânsito, já consideram que o comportamento humano é suscetível a erros e diante disso, a concepção de todo o sistema de mobilidade, sendo um de seus pilares a Engenharia, necessita ser obrigatoriamente, adequado a esta premissa.



***Paulo Okada é formado em Engenharia Civil e Administração de Empresas, trabalha há 16 anos nas empresas de Engenharia do grupo empresarial da CRASA, tendo passado por diversas obras, sendo atualmente Gerente de Contrato da CRASA.




9 visualizações0 comentário